quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Não leia porque isso não presta


Warning: Explicit idiotic content

Seres em sentimentos, desprovidos a essência do amor, na eterna procura de si mesmo que, por horas e horas ao redor do relógio, e da velha lisboa, mais um museu de turistas, o cenário deprimente das luzes em tom amarelo fosco, a clarear os ladrinhos calcejantes, brilhosos e vistuosos como minha alma que já foi.

Lisboa já não é mais a mesma, não há, mesmo no verão, a alegria de simplemesnte caminhar e sentir a brisa correr, abraçados, ou até menos que isso, de mãos dadas, num acto que na minha concepção de Tripa Seca, coitado, segurança, artista, poeta e qualquer coisas que me imputem, quais as não consdirero nenhuma, tenho conta de que tudo o que começa, termina. Uma vez que nada começou, não há um presente a viver, muito menos um futuro, do qual sonhei desde o primeiro encontro.


FARÇA CONTÍNUA PROJECTADA NO MEU IMAGINÁRIO FÉRTIL, PORÉM IMATURO.

"...A DOR ENSINA A GEMER..."